A COR PÚRPURA – O MUSICAL

      

 

Vencedor dos Prêmios Pulitzer, Grammy, Tony e com 11 indicações ao Oscar, A COR PÚRPURA ganha versão musical inédita no Brasil, com direção de Tadeu Aguiar e versão brasileira de Artur Xexéo.

A COR PÚRPURA – O MUSICAL, com 17 atores, 90 figurinos, um palco giratório de 6 metros de diâmetro e uma escada curva com sistema de travelling em volta do cenário. “A história é universal: fala do ser humano, em especial das mulheres. É imediata a identificação com o momento do país, onde há tantas histórias de opressão às mulheres. A COR PÚRPURA é um grande grito de liberdade”, explica o diretor e idealizador Tadeu Aguiar, responsável pela encenação de “Bibi, uma vida em musical” e “Quase Normal”. Tadeu Aguiar prioriza a interpretação como força motriz da cena. “Reforcei o caráter epistolar do romance, valorizei o ponto de vista da protagonista, tendo a figura do ator como principal instrumento condutor da história. A palavra é a grande força do espetáculo”, afirma o diretor. A COR PÚRPURA – O MUSICAL é apresentado pelo Ministério da Cidadania e pela Bradesco Seguros.

O espetáculo já conta com duas indicações ao Prêmio Shell e 8 indicações ao Prêmio Cesgranrio.

Alice Walker foi a primeira escritora negra a ganhar o Pulitzer pelo seu livro A COR que continua contemporâneo ao retratar relações humanas, de amor, poder, ódio, em um mundo pontuado por estruturais diferenças econômicas, sociais, étnicas e de gênero. A COR PÚRPURA foi lançado em 1982. Com direção de Steven Spielberg, a obra foi adaptada para o cinema em 1985, recebendo 11 indicações ao Oscar. A transposição para musical ocorreu em 2005, na Broadway. Em 2016, houve uma nova montagem, rendendo à produção 2 prêmios Tony e o Grammy de Melhor Álbum de Teatro Musical.

 

Escrito há mais de 35 anos, A COR PÚRPURA é um musical baseado em uma história passada na primeira metade do século XX, na zona rural do Sul dos Estados Unidos, com personagens típicos dessa região. “Apesar de ser um musical de época, fala muito de questões atuais, como a participação da mulher na sociedade, o papel da mulher numa relação amorosa, o machismo, o racismo... Não foi preciso adaptação alguma para o musical interessar à plateia brasileira. Ele, naturalmente, fala a qualquer plateia do mundo de hoje”, esclarece Artur Xexéo, responsável pela versão brasileira do texto e das letras de A COR PÚRURA – O MUSICAL.

A COR PÚRPURA, com um elenco em sua maioria escolhido por meio de testes, apresenta a trajetória e luta de Celie (Letícia Soares) contra as adversidades impostas pela vida a uma mulher negra, na Geórgia, no decorrer da primeira metade do século XX. Na adolescência, a personagem tem dois filhos de seu suposto pai (Jorge Maya), que a oferece a um fazendeiro local para criar seus herdeiros (entre eles, Harpho - Alan Rocha), lavar, passar e trabalhar sem remuneração. Ela é tirada à força do convívio de sua irmã caçula Nettie (Ester Freitas) e passa a morar com o marido Mister (Wladmir Pinheiro). Enquanto Celie resigna-se ao sofrimento, Sofia (Lilian Valeska) e Shug (Flávia Santana) entram em cena, mostrando que há possibilidade de mudanças e novas perspectivas, esperança e até prazer. A saga de Celie é permeada por questões sociais de extrema relevância até os dias atuais como a desigualdade, abuso de poder, racismo, machismo, sexismo e a violência contra a mulher. Completam o elenco: Analu Pimenta (Squeak); Suzana Santana (Jarene); Erika Affonso (Doris); Cláudia Noemi (Darlene); Caio Giovani (Grady Ensemble); Leandro Vieira (Chefe da Tribo Olinka Ensemble); Gabriel Vicente (Bobby Ensemble); Thór Junior (Pastor Ensemble); Renato Caetano (Soldado Ensemble); Nadjane Pierre (Solista da Igreja Ensemble).

A direção musical de A COR PÚRPURA é de Tony Lucchesi. São 32 números musicais, contando com as vinhetas. “Tem uma parte do espetáculo que é ambientada na África. Para esse momento, abri as vozes, trabalhei com polifonia, com outros sons, uma música por trás da cena”, revela Tony. No espetáculo, os atores precisam ter grande extensão vocal, dando conta de vários ritmos como jazz, blues, música africana e gospel. Logo na abertura da peça, há um número que lança mão de diversas sonoridades, representando o coro de uma igreja entrecruzado ao sermão do pastor.

Artur Xexéo, ao interpretar as canções, teve como principal intenção respeitar a métrica. “Às vezes, um verso original termina com uma vogal aberta e, para aproximar a versão de uma tradução literal, você termina com uma vogal fechada. Então, o melhor é se afastar da tradução literal e se aproximar do efeito sonoro. Há, na peça, todo tipo de música negra americana: spirituals, blues, work songs, etc. Muito da ação é transmitida pela música. Então, a versão não pode tomar muitas liberdades. Tem que respeitar a intenção da letra original”, afirma Xexéo.

Ingressos

Plateia (térreo em frente ao palco): R$ 120 inteira e R$ 60 meia-entrada

Frisa (térreo em frente ao palco): R$ 100 inteira e R$ 50 meia-entrada

Balcão Nobre (1º andar): R$ 80 inteira e R$ 40 meia-entrada

Balcão Simples (2° andar): R$ 70 inteira e R$ 35 meia-entrada

 

Ponto de venda sem taxa de conveniência:

Bilheteria do Theatro Pedro II, sede Rua Álvares Cabral, 370, Centro, Ribeirão Preto|SP.

- de 3ª a 6ª feira: das 10h às 19h ou até o início do espetáculo.

- sábados: das 14h até o início do espetáculo. Quando não houver espetáculo no dia de sábado, o horário será das 10h às 14h.

- domingos e feriados em que há espetáculos: das 14h até o início do espetáculo.

- domingos e feriados sem espetáculo: bilheteria fechada.

Os ingressos para PNE devem ser adquiridos diretamente na bilheteria.

 

Meia Entrada: Estudantes, Pessoa com deficiência e um acompanhante, Idosos (pessoas com mais de 60 anos), diretores, coordenadores pedagógicos, supervisores e titulares de cargos do quadro de apoio das escolas das redes estadual e municipais, professores da rede pública estadual e das redes municipais de ensino.

O direito ao benefício da meia-entrada é assegurado em 40% (quarenta por cento) do total dos ingressos disponíveis para cada evento.

Informações importantes:

Não será permita a entrada após o início do espetáculo, não havendo troca de ingresso e nem devolução do dinheiro.

Para melhor conservação do Theatro Pedro II é proibido o consumo de bebidas e alimentos dentro das salas de espetáculos.

Confira seu ingresso (data, local, horário e lugar escolhido) e troco no ato da compra. Trocas ou devoluções posteriores não serão efetuadas.

Para sua comodidade, chegue 30 minutos antes do horário marcado em seu ingresso.

Crianças a partir de 2 anos de idade pagam.

Não recomendamos a entrada de crianças com idade inferior a 12 anos em eventos noturnos.

 

 

 

Aguarde

Data: 23/05/2020
Horário: 17:00

Local: Sala Principal

Classificação: 12 anos

A COR PÚRPURA – O MUSICAL